Corpo de Hamilton Bandeira é exumado a pedido do Ministério Público do Maranhão.

Corpo de Hamilton Bandeira é exumado a pedido do Ministério Público do Maranhão.

O corpo de Hamilton Bandeira, morto em operação policial no inicio de junho, foi exumado a pedido do Ministério Público do Maranhão (MP-MA) nessa terça-feira (13/07).

O jovem de 23 anos foi morto na cidade de Presidente Dutra, a 354 km de São Luís, após desejar boa sorte a Lázaro Barbosa, apontado como autor de 38 crimes e morto depois de 20 dias de perseguição policial em Goiás. Alegando 'apologia ao crime', três policiais foram até a residência de Hamilton e efetuaram ao menos dois disparos, na frente do avô do jovem. Hamilton morreu no hospital.

O corpo da vítima não havia passado pela necropsia do Instituto Médico Legal (IML) antes de ser enterrado, como é recomendado em casos de intervenção policial. Por isso, não há laudos sobre os disparos que atingiram o rapaz. Com a exumação, o MP-MA quer saber detalhes das circunstâncias do crime.

Entenda o caso

Segundo a polícia, os agentes foram ameaçados pelo rapaz que estava em posse de uma faca. Ao tentar conter Hamilton Cesar, os agentes atiraram contra o rapaz. Ele chegou a ser socorrido e levado para o hospital da região com vida, mas acabou não resistindo aos ferimentos e morreu.

Uma equipe da Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDIHPOP) está acompanhando o caso. Ainda em nota, a Polícia Civil lamentou profundamente o fato e solidarizou com a família do jovem.

Família contesta versão

O pai de Hamilton, Antônio Bandeira afirmou que o jovem não estava armado no momento da ação policial. Ele afirma que o filho não era agressivo e tinha deficiência mental.

"Não tinha o maior sentido do mundo eles chegarem lá assassinando ele. E ele não usava ferramenta nenhuma. A polícia não falou nada, quando chegou lá, foi metendo bala e quase matou um idoso de 100 anos", disse.

Veja, abaixo, o que disse a Polícia do Maranhão:

"A Polícia Civil do Maranhão (PC-MA) informa que na última sexta-feira (17), após denúncias de moradores, atendeu a uma ocorrência de ameaça e apologia ao crime em uma residência no povoado de Calumbi.

Quando chegaram ao local, os policiais foram ameaçados pelo suspeito que estava de posse de uma arma branca (faca). Para conter a situação, os agentes atiraram e um dos disparos atingiu ao rapaz, que foi socorrido pelos policiais, levado ao hospital com vida, mas acabou vindo a óbito.

A Polícia Civil do Maranhão lamenta profundamente o fato e se solidariza com a família. Pontua, ainda, que um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da ocorrência.

Uma equipe da Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDIHPOP) está acompanhando o caso."

 

Fonte: G1 MA.